Artigos e Cronicas

26/12/2017 08:21

Previsões políticas para 2018

João Edisom de Souza*

No próximo ano, iremos votar para cinco cargos: presidente, governador, senador, deputado federal e deputado estadual.

Dos 36 cargos das duas esferas (estadual e federal), estarão em aberto 35 cadeiras. Em Mato Grosso, apenas o senador Welington Fagundes permanecerá em sua cadeira.

O interessante é que estamos no finalzinho de 2017, praticamente início de 2018 e a política apresenta muitas indefinições. Primeiro pelo fato que as operações policiais em todos os níveis ainda não estão concluídas e aí nem sabemos quem a “polícia vai deixar” ser candidato.

Previsão foi feita para não dar certo, mas não custa tentar. Quem são os possíveis candidatos?

Para presidente, o certo é só Bolsonaro e Marina, os demais dependem de convenções e policia.

No Estado, vamos primeiro, as especulações: Mauro Mendes, Jaime Campos, Antônio Joaquim, Carlos Fávaro, Adilton Sachetti, Eduardo Botelho, Welington Fagundes, Blairo Maggi, Procurador Mauro?

Deve ainda aparecer mais nomes com menos expressão no cenário político. Mas como reeleição foi feita para reeleger o candidato, o mais candidato de todos é o atual governador Pedro Taques.

No Senado Federal, onde teremos duas cadeiras em aberto, como possíveis candidatos podemos usar os nomes citados acima para governador e acrescentar o nome do deputado federal Nilson Leitão e, talvez, do atual senador José Medeiros.

Considerando que as cadeiras de Blairo, atualmente ocupada pelo suplente Cidinho Santos, e a do atual governador Pedro Taques, atualmente ocupada pelo senador José Medeiros, acredito que somente Blairo terá retorno. Portanto, uma será a incógnita.

Das oito vagas para deputado federal, quatro cadeiras possivelmente estarão em aberto na disputa. Ságuas e Ezequiel não deverão disputar e Nilson Leitão dificilmente tentará a reeleição.

Sendo bastante pragmático e considerando que Vitório Galli fez um mandato inteligente dentro do seu segmento, deve ampliar sua votação.

Carlos Bezerra tem um eleitorado fiel. Dos atuais não citados, apenas um deverá voltar. É possível que teremos cinco nomes novos.

Para quem gosta de ver nomes novos, a maior decepção poderá ser na Assembleia Legislativa do estado.

Das 24 cadeiras na Assembleia, acredito que a reeleição sejam garantidas somente para Janaína Riva, por ser um símbolo da oposição ao Governo; Euardo Botelho, atual presidente da Assembleia, e Wilson Santos e Max Russi, por estarem em posições estratégicas no Governo.

Somam-se a isso mais quatro deputados com redutos eleitorais cristalizados. Os demais com mandato (titular ou suplentes) deverão disputar de igual por igual oito vagas.

Só aí somamos o retorno de,  no mínimo, 16 dos atuais, o que significa que deverão ser preenchidas, no máximo, 8 vagas com nomes novos.

Bem, como eu escrevi no começo, previsões são previsões e foram feitas para não darem certo, mas eu fiz minha aposta.

Façam as suas que em outubro de 2018 nós veremos o resultado.

JOÃO EDISOM DE SOUZA é professor universitário e analista político em Cuiabá.

Fonte: Midia News


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo