Estadual

INIMIGOS INTERNOS 14/09/2018 10:49

  Candidaturas das bases do PT estão sendo perseguidas e sufocadas por dirigentes em Mato Grosso

Ala dirigente comandada por parlamentares e que controlam o Diretório Regional está retaliando as candidaturas de Edna Sampaio (Federal), Lúdio Cabral e Henrique Lopes para impedir que vençam as eleições

Antonio P. Pacheco
Especial para o Pauta Extra

Os dirigentes do PT regional, comandados pelos deputados Saguas Moraes e Valdir Barranco e pelo ex-deputado federal Carlos Abicalil, rebaixaram uma vez mais o partido ao partirem para a vingança rasteira contra os militantes contrários à coligação com o senador Wellington Fagundes (PR) na disputa ao Governo do Estado. Depois de impor sem discussão prévia com as bases a coligação com partidos que apoiaram o golpe contra a presidenta Dilma Roussef e as reformas do governo ilegítimo de Michel Temer contra os trabalhadores e os interesses nacionais, a maioria (apertada) que hoje domina o Diretório Regional petista quer impedir que os candidatos indicados e apoiados pela maioria militante, organizações sindicais e sociais e por simpatizante do PT alcancem a vitória nas urnas.

Em uma manobra franca de perseguição e sufocamento, a ala da direção do PT pró-Wellington Fagundes está boicotando financeiramente os candidatos à Assembleia Legislativa, Henrique Lopes e Lúdio Cabral, e à Câmara Federal, Edna Sampaio. Contra Edna Sampaio a retaliação por se opor ao adesismo com golpistas foi além: a candidata foi cortada do horário eleitoral com a retirada de seus programas e inserções que seriam veiculadas na quinta-feira,13.

A situação veio à tona com a publicação em um grupo de petistas no whatsapp de um desabafo do esposo da deputada, Willian Sampaio, militante histórico do PT, ex-delegado regional do Incra em Mato Grosso na gestão do ex-presidente Lula, e de uma carta aberta aos militantes do partido assinada por lideranças sindicais como CUT, Sintep, Sintuf, Adunemat, e de movimentos sociais como o MST, Movimentos LGBT/MT, ArtGay e Frente Brasil Popular, bem como por membros e dirigentes do próprio Diretório Regional.

A publicação detalha as retaliações que a candidatura de Edna Sampaio vem sofrendo e a discriminação com que vem sendo tratados os candidatos ligados diretamente à defesa do ex-presidente Lula e resistentes aos golpistas que destituíram Dilma Rousseff da presidência da república em 2016.

A distribuição dos recursos do fundo partidário  é a principal arma usada para punir os candidatos que discordam  da aliança do PT com o republicano Wellington Fagundes. Os números confirmam a disparidade no tratamento. Enquanto a candidata à deputada federal Rosa Neide, chefe de gabinete de Barranco na ALMT, recebeu mais de R$400 mil, Edna Sampaio, a candidata da base militante, recebeu ínfimos R$37 mil. O próprio barranco e seu aliado Luiz Brás embolsaram maia R$100 mil cada um e Henrique Lopes, que disputa uma cadeira no legislativo estadual com apoio massivo dos educadores públicos, não recebeu nenhum real do fundo partidário do PT.

Leia abaixo a íntegra da denúncia.

“Hoje a candidata Edna Sampaio foi excluída do horário eleitoral do PT. O seu programa defendendo Lula, Haddad e os trabalhadores foi retirado do ar por que ela se recusou a pedir voto para o Wellington golpista. Ele nunca pediu votos para Lula e Haddad. Mas, isso não incomoda a direção do PT MT. Contudo, a Federal do Lula é punida por não pedir voto ao golpista.

Esta e outras represálias da direção do PT visando sufocar a candidatura da Edna Sampaio, em benefício da outra candidata e dos golpistas, estão denunciadas no documento abaixo, assinado por militantes e dirigida à militância do PT.

Leia, divulgue aos Petistas!

Carta à militância do PT

Companheiros e companheiras,

A candidatura da Profa. Edna Sampaio agrega diferentes forças do interior do Partido dos Trabalhadores, ao mesmo tempo que congrega a militância de diferentes movimentos sociais e de sindicatos da base CuTista.

O caráter diverso, plural e militante da candidatura da Federal do Lula tem animado a militância para a campanha de Lula/Haddad.

A profa. Edna Sampaio, de forma corajosa, aceitou o desafio da militância de colocar seu nome a disposição do PT para disputar o Governo do Estado. Sua pré-candidatura representou com qualidade o ideário e espírito petista.

Sua presença no debate público marcou a defesa de Lula e do PT, expondo as circunstâncias do golpe e a injusta prisão do Presidente Lula. De posição clara e em defesa dos trabalhadores, a profa. Edna Sampaio pode expor a relação entre a crise política nacional e os efeitos no âmbito do estado de Mato Grosso.

Após lutarmos pela candidatura própria do PT ao governo e, sermos derrotados por uma maioria apertada na Executiva Estadual, fomos surpreendidos por nova interdição dessa mesma instância, desta vez impedindo a candidatura da Edna a Deputada Federal. Somente através de um recurso junto à Executiva Nacional conseguimos a homologação da candidatura da companheira.

A candidatura Edna Sampaio não é pessoal, ela representa os anseios de militantes que querem uma representação petista na Câmara Federal e, de uma mulher negra, militante, de luta que nos represente e defenda intransigentemente os trabalhadores e as trabalhadoras.

Entretanto, apesar disso e, sem que haja justificativa, a candidatura da companheira Edna vem sofrendo uma sequência de ataques que visam sufocá-la. Recursos do Fundo Eleitoral e do Fundo Partidário são distribuídos sem critérios pactuados, como se ter a maioria na Executiva Estadual fosse licença para o grupo que dirige o PT cometer qualquer tipo de violência e injustiça:

1. Na distribuição do Recurso do Fundo Eleitoral, a candidatura Edna Sampaio foi preterida, sendo rebaixada para a condição de não prioritária. Enquanto a outra candidata a deputada federal recebeu até o momento, mais R$ 410.000,00; a candidatura Edna Sampaio recebeu apenas R$ 37.000,00.

2. Oficialmente as candidaturas a Câmara Federal são prioridades para o PT, porém, a prioridade tem sido aquela definida pelos que têm mandato e, através de seus gabinetes controlam o partido.

3. Sufocada por falta de recursos, a candidatura Edna Sampaio não pode utilizar do tempo de televisão do PT que é o maior tempo da coligação (1min e 35seg). Ela só pode utilizar 25 segundos. A maior parte do tempo tem sido utilizada por candidatos de outros partidos ou para veicular peças publicitárias nacionais.

4. A candidatura da Edna está sofrendo ameaça de ser tirada do ar no horário eleitoral de rádio e TV, caso não grave pedido de votos para o candidato ao Governo do Estado, da coligação – Wellington Fagundes. Apesar do candidato majoritário não ter cumprido, até o presente momento, seu compromisso de fazer a defesa de Lula e da candidatura do PT, argumento utilizado para justificar a aliança apesar de, nas inserções da companheira Edna Sampaio na TV, constar o nome da coligação e dos candidatos majoritários. Trata-se de um constrangimento nunca antes praticado.

Enquanto isso a liberdade de Lula e a campanha do Haddad é invisibilizada.

Enfim, a candidatura Edna Sampaio tem sofrido todo tipo de ataque como uma espécie de represália ao enfrentamento por candidatura própria no interior do partido, processo liderado pela companheira.

O tratamento desigual e injusto imposto à companheira é inadmissível e não guarda qualquer relação como uma discussão justa, transparente e baseada em critérios aceitáveis no campo da política que representa o PT, cuja tradição é de luta por direitos e por Democracia. Trata-se de uma interdição orquestrada para impedir o fortalecimento de uma nova liderança, apoiada e acolhida pela maioria absoluta da militância.

Lutamos pela liberdade de Lula, pela eleição de Haddad e, para que o PT seja o partido dos trabalhadores e das trabalhadoras em Mato Grosso, para que as práticas atrasadas e de direita, de interdição de novas lideranças e, de apropriação privada do partido não prevaleçam.

O PT é o maior legado das classes trabalhadores, construído com esforço das vidas de milhares de militantes. O PT não merece ser do tamanho do egoísmo e da mesquinharia de quem hoje o controla.

Nossa solidariedade militante à companheira Edna Sampaio que, com todos os boicotes sofridos precisa de ainda mais esforço da militância para elegê-la.

Edna Sampaio nos representa.

Assinam as lideranças petistas abaixo:
Ana Carolina Campos – Membro da Executiva Estadual do PT
Clovis Arantes – Membro do Movimento LGBT de MT.
Cristiane Lopes da Silva – Executiva Municipal do PT, Cuiabá
Direção do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra – MST
Domingos Sávio – Membro do Diretório Estadual do PT, Presidente do Sindicato dos Docentes da UNEMAT/Seção Andes (ADUNEMAT)
Eduardo Alves de Oliveira - Articulador das Comunidades Eclesiais de Base - Diocese de Barra do Garças
Eloisa de Oliveira Lima – SINTUF/UFMT, Barra do Garças
Fátima Aparecida Garcia de Moura – Marcha Mundial de Mulheres
Girlene Ramos – Membro da Executiva Estadual do PT/Operativa Frente Brasil Popular
João Dourado – CUT/MT
Jocilene Barboza dos Santos – Presidente do Sindicatos dos Profissionais de Educação – SINTEP/MT, Secretária de Mulheres do PT/MT
Manuel Antônio Pereira Araújo – Membro da Executiva Estadual do PT
Marcia de Campos – Articulação Nacional de Educação Popular em Saúde
Marivone de Souza Pereira – Membro do Diretório Estadual do PT
Otto Ten Caten – Membro do Diretório Estadual do PT
Rodrigues de Amorim Souza – Coordenador ArtGay/MT
Silbene Santana de Oliveira – Membro do Conselho Nacional da Escola de Formação do PT
Thiago Oliveira Rodrigues – Secretário Setorial LGT/PT – Militante ARTGAY/MT
Vera Lucia Pereira Araújo – Membro do Diretório Estadual do PT
Lisanil Patrocínio – Professora, militante histórica do Partido dos Trabalhadores"


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo