Geral

CONTRA A "ENCOXADA" 10/08/2017 10:37

Deputado indica à Ager combate ao assédio sexual em ônibus

Deputado Mauro Savi propôs que Ager faça campanha semelhante a do Distrito Federal que tem como slogam “Assédio sexual no ônibus é crime! Ligue 190 (PM) ou 180 (Central de Atendimento à Mulher), Denuncie!”

Da Redação

O deputado estadual Mauro Savi (PSB) propôs, através de uma indicação à Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (Ager-MT), a colocação de placas informativas no interior dos ônibus do transporte coletivo estadual para estimular a denúncia e coibir a  “parafilia”, popularmente conhecida como 'encoxada' proposital pelo quais muitas mulheres passam, quando são assediadas fisicamente em ônibus lotados.

“Esse tipo de assédio sexual é mais comum do que se imagina e assombram as mulheres no transporte público. Homens que praticam esse tipo de assédio começam a “roçar”, encostar, seus órgãos genitais ou mesmo tocar nas partes íntimas de mulheres que estão em aglomerações. Diante desta realidade sugerimos, através desta indicação a fixação de placas informativas  nos ônibus para que as vítimas denunciem”, explica o parlamentar.

O deputado lembra ainda que muitos desses homens adeptos da parafilia chegam a filmar suas ações para divulgar em site e comunidades das principais redes sociais.  “Já tem grupos nas redes sociais conhecidos como “encoxadores” chegam a ter mais de 12 mil participantes e englobam as “encoxatrizes”, que são mulheres que praticam o mesmo ato, ou gostam de ser assediadas”, relata. 

Savi ainda ressalta que acredita no êxito de uma campanha estadual, nos moldes da criada no Distrito Federal e que tem o slogan: “Assédio sexual no ônibus é crime! Ligue 190 (PM) ou 180 (Central de Atendimento à Mulher), Denuncie!”. “Com isso, vamos encorajar as mulheres a fazerem a denúncia e sensibilizar os demais passageiros a defender a vítima e a condenar o agressor”, emendou Savi.

Denúncia - Duas mulheres denunciaram no mês passado ter sofrido assédio dentro de um transporte coletivo na capital. As duas amigas relataram nas redes sociais que o abusador era a mesma pessoa nos dois casos: um homem de idade, magro, grisalho e com uma tatuagem de cruz pequena no antebraço.

“Meninas tomem cuidado, tem um cara tarado dentro dos ônibus em Cuiabá. Eu estava voltando agora há pouco do serviço, cansada, meio que cochilando no ônibus, quando sinto uma mão na minha região íntima. Era o tal senhor de cabelo grisalho, passando a mão em mim”, escreveu Fernanda Paula, de 19 anos, uma das jovens vítima de assédio.

Para divulgar o assédio sofrido, ela postou uma foto de suas mãos com as unhas todas quebradas, relatando que havia batido no homem e o colocou para fora do ônibus. Ela conta que registrou o boletim de ocorrência.

“Neste caso, sugiro que algum vereador apresente uma indicação similar ou projeto a prefeitura de Cuiabá para evitar esse tipo de crime. Não podemos nos calar diante desta situação”, concluiu Mauro Savi. 

Fonte: Assembleia Legislativa de Mato Grosso


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo