Geral

11/08/2017 08:10

Protesto de garis compromete recolhimento de lixo em Cuiabá

Da Redação
Nesta sexta-feira (11) a coleta de lixo ficará comprometida em Cuiabá. Cerca de 100 trabalhadores que atuam no setor irão paralisar as atividades e irão se concentrar em frente da empresa Locar Gestão de Resíduos, no Distrito Industrial de Cuiabá.

Segundo o advogado do Sindicato de Limpeza Urbana de Mato Grosso (Sindilimp), Silvio Marinho, os garis e motoristas de Cuiabá estão revoltados com a falta de comprometimento da prefeitura de Cuiabá e das empresas na Ecopav Soluções Urbanas, que rescindiu o contrato com a prefeitura, e da Locar, que assumiu o serviço de forma precária, em resolver a situação dos trabalhadores.

O presidente do Sindilimp, Wenderson Alves, diz que enquanto prefeitura e empresas vão “empurrando com a barriga” muitos companheiros estão passando necessidades. “Já tem gente sem água, sem energia, comendo de favor. Estamos indignados”, conta.

Marinho destaca que na terça-feira (8) houve uma audiência de mediação na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) e apenas o representante da Locar apareceu. Admitiu que não assumiu a quantidade de funcionários da Ecopav conforme exige o contrato de prestação de serviços da prefeitura e se comprometeu a sanar a pendência, mas até agora não providenciou a contratação dos trabalhadores.

De acordo com o sindicato, a Ecopav, empresa que deixou de prestar serviço na Capital no dia 8 de julho, ainda não regularizou a demissão dos coletores de lixo. A Locar está operando com um quadro insuficiente de trabalhadores e caminhões que gera sobrecarga de trabalho além de descumprir com a obrigação contratual de assumir os coletores. “Os trabalhadores são ameaçados o tempo todo. Não podem reclamar, não podem pedir seus direitos. Estão sendo ditadores. Nossa única arma é o protesto”, denuncia Wenderson.

Além da questão trabalhista, a Locar atua com uma liminar devido a uma intervenção do Ministério Público do Trabalho (MTP) por desrespeitos a normas de segurança do trabalho.
“Todo esse problema gera transtornos não só para a categoria, mas para a sociedade que fica com o serviço comprometido. Como a Locar contratou um número muito inferior, só tem um coletor trabalhando por caminhão, como este flagrante que fiz quando estava indo para o trabalho”, revela o advogado Silvio Marinho ao citar a foto encaminhada ao Gazeta Digital que ilustra a matéria.

Outro lado

A Locar informa que conforme ata do Ministério do Trabalho, os funcionários da Ecopav vão providenciar documentação e passarão pelos critérios de seleção da empresa e serão contratados à medida que tiver substituição dos funcionários que compõem o atual quadro.

O representante comercial da Ecopav, Fernando Infanti, argumenta que a representação da Empresa em São Paulo está construindo uma solução para os pagamentos dos ex-funcionários. Acusa o Sindilimp de tumultuar o processo e não ser regular. Eiz ainda que os representantes dos trabalhadores são donos de procurar confusão e “terem provocado a demissão de vários colegas”. Ele, no entanto, não explica como fizeram isso.

A Secretária Municipal de Serviços Urbanos (SMSU) foi procurada pela reportagem, mas até a publicação do material não se posicionou.

Fonte: Gazeta Digital


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo