Geral

GREVE DOS CAMINHONEIROS 27/05/2018 08:14

Caminhoneiros mantém greve e bloqueios em rodovias de Mato Grosso

Em Mato Grosso, há registros de pelo menos 32 pontos de bloqueios ou concentração de caminhoneiros, 12 dos quais, apenas no trecho sob concessão da empresa Rota do Oeste que explora o pedágios na BR-364

Da Redação

Pelo sétimo dia seguido caminhoneiros continuam bloqueado as rodovias de Mato Grosso e em diversos Estados para forçar o governo a atender suas reivindicações. Segundo a concessionária que administra a BR-163, no trecho sob sua concessão (da divisa com Mato Grosso do Sul até Sinop) são 12 pontos de interdição neste domingo.

Em Rondonópolis (km 95 e km 119) , em Nova Mutum (km 593 e km 601), Lucas do Rio Verde (km 686 e km 691), Sorriso (km 746 e km 750) e Sinop (km 821). Na BR-364, os manifestantes estão em Jaciara (km 269) e no Distrito Industrial de Cuiabá (km 398). Ainda na capital, há um grupo no km 504 da BR-070 (rodovia dos Imigrantes).

Neste domingo, a Polícia Rodoviária Federal ainda não atualizou os pontos de bloqueios, mas ontem, além dos pontos divulgado pela concessionária, também havia em: Guarantã do Norte (km 1065), Lucas do Rio Verde (BR-163 km 691 e BR-070 km 686), Ponte e Lacerda (km 288), Campos de Júlio (km 1191), Sapezal (km 1120), Comodoro (km 488), Barra do Garças (km 5 e 8), Água Boa (km 564), Campo Novo do Parecis (km 878), Confresa (km 130), Diamantino (km 613), Primavera do Leste (km 276 e 282),), Campo Verde (km 376 e 383), Nova Xavantina (BR- 158, no km 650), Matupá (BR-163, KM 1042), Alto Garças (BR-364, KM 56), Cáceres (BR-070, KM 735) e Pedra Preta (BR-364, km 177).

Novas propostas do movimento dos caminhoneiros foram apresentadas, neste sábado, ao governo federal. Os caminhoneiros querem desconto de 10% no valor do diesel que será cobrado na bomba, a ampliação desta redução de 30 para 60 dias e o fim da suspensão da cobrança de tarifa de pedágio para eixo elevado dos caminhões para todo o país, informa a Agência Brasil.

Os representantes do movimento de paralisação em São Paulo se comprometeram com o ministro a repassar o acordo aos caminhoneiros de outros estados por grupos de WhatsApp da categoria, caso a resposta do governo federal seja positiva.

Ao longo deste domingo, o ministro da Casa Civil, Carlos Marun e ministros de várias áreas se reunirão no Palácio do Planalto, no gabinete de gestão de crise, na tentativa de encerrar a paralisação. É esperado para esta tarde anúncio de um acordo entre governo federal e caminhoneiros.

Ontem, o governador Pedro Taques decretou, em Sinop, onde cumpre agenda com lançamento de obras e na Caravana da Transformação, situação de emergência em Mato Grosso devido à paralisação dos caminhoneiros que não estão transportando combustíveis, gás, comida e centenas de outros produtos e, consequentemente, causou desabastecimento em dezenas de cidades mato-grossenses.

O decreto prevê ações do governo para evitar situações que possam comprometer a oferta da prestação de serviços considerados essenciais à população, como nas áreas de saúde e segurança pública, autorizando a adoção de algumas medidas para assegurar a prestação de serviços essenciais, como a alocação de recursos orçamentários para custear ações emergenciais e até a utilização de forças de segurança para garantir a livre circulação dos meios de transporte para a distribuição de alimentos e combustíveis.

Diversas cidades de Mato Grosso já foram afetadas por falta de gasolina, diesel, etanol, gás de cozinha, materiais de construção e centenas de outros produtos.


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo