Geral

DOAÇÃO DE ÓRGÃOS 24/01/2019 09:25

Doações de órgãos tem baixo desempenho em Mato Grosso

O índice de aproveitamento de órgãos após a declaração de mortes encefálicas em Mato Grosso é irrisório. Em 2018, dos 90 casos registrados de morte encefálica no estado, apenas três resultaram em doações de órgãos

Da Redação

Das 90 mortes encefálicas registradas em Mato Grosso em 2018, apenas 3 resultaram na doação de órgãos. Das não doações,  22% são decorrentes da negativa familiar. Os dados são da Secretaria Estadual de Saúde (SES).

A coordenadora Estadual de Transplantes, Fabiana Regina de Souza Molina, explicou que para que haja, de fato, a doação, é necessário que façam exames para constatar a possibilidade de doenças contagiosas.  

"A família é consultada por uma equipe sobre a possibilidade de doação de órgãos e ou tecidos. Nesse momento são dados todos os esclarecimentos visando uma tomada de decisão consciente e segura", disse a coordenadora.  

Ainda quanto as não doações, 48% dos possíveis doadores sofrem uma parada cardiorrespiratória antes da confirmação do diagnóstico, outros 14% têm contra indicação médica para a doação, 7% tem parada cardiorrespiratória depois da confirmação e os 5% restantes são de causas não registradas.  

De acordo com ela, alguns lugares do estado não dispõe de todos os aparatos necessários para realização do procedimento, seja pela logística ou pela falta de equipamentos. Isto porque alguns órgãos, como o pulmão e o coração, tem durabilidade de 4 horas fora do organismo.  

A região metropolitana de Cuiabá é a que possui melhor estrutura para recebimento destes casos. Contudo, Sorriso, Sinop, Cáceres e Rondonópolis estão em processo de organização para atender ao processo de doação.  

No estado, a córnea é o órgão mais transplantado, com 214 operações em 2018. As doações são provenientes de outros lugares do Brasil. Existe uma lista de espera, denominada Cadastro Técnico Único (CTU), com 198 pessoas. Os procedimentos são realizados no Hospital de Olhos de Cuiabá, Clínica Visionare, Hospital Geral e Hospital Santa Rosa, todos a serviço do Sistema Único de Saúde (SUS).    

"O Sistema Nacional de Transplante trabalha com a estratégia de disponibilização de córneas entre os estados. Seguindo um protocolo específico. Dessa forma o Estado de Mato Grosso pode manter os números de transplantes com córneas disponibilizadas pelo sistema", informou a coordenadora.  

Vida após a morte

A família do cantor sertanejo Ramon Alcides, 25, morto depois de ser atropelado em frente à casa noturna Valley Pub em dezembro de 2018, confirmou a doação de órgãos do cantor.  

Por meio das redes sociais, sua mãe, a empresária Regina Viveiros, afirmou que o ato sempre foi desejo do filho.  

“Saber que pedacinhos dele salvaram vidas, secaram lágrimas de pessoas, de mães, deram oportunidade para mães ou pais verem os filhos crescerem, verem os netos, coisa que foi tirada de mim, me alivia, me dignifica e é patrimônio para alma do meu filho”, disse.    

(Fonte:Gazeta Digital)


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo