Pauta Agro&Business

SOJA 05/01/2018 08:02

Mercado sobe em Chicago nesta 6ª feira recuperando as baixas da sessão anterior

Por volta de 8h05 (horário de Brasília), os ganhos variavam de 3,25 a 4 pontos nos principais contratos, levando o março/18 a US$ 9,71 e o maio/18, referência para a safra brasileira, a US$ 9,82 por bushel.

Da Redação

A sexta-feira (5) começa com os preços da soja em alta na Bolsa de Chicago. Por volta de 8h05 (horário de Brasília), os ganhos variavam de 3,25 a 4 pontos nos principais contratos, levando o março/18 a US$ 9,71 e o maio/18, referência para a safra brasileira, a US$ 9,82 por bushel.

O mercado internacional recupera parte das ligeiras baixas registradas na sessão anterior, porém, ainda caminha com oscilações bastante limitadas.

Na medida em que as condições de clima na América do Sul, segundo os últimos mapas climáticos, começam a trazer alguma melhora para pontos da Argentina, e que os traders se ajustam antes do relatório mensal de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), o mercado se mostra mais cauteloso.

As vendas norte-americanas para exportação - as quais serão atualizadas hoje pelo USDA em seu reporte semanal - também continuam a ser acompanhadas de perto, dado o seu ritmo um pouco mais lento em relação ao ano passado.

"Operadores do mercado têm discutido o lento ritmo de exportações norte-americanas que coloca um sentimento de baixa, enquanto que as projeções climáticas para a Argentina e o Sul do Brasil trazem um possível ânimo altista para as cotações. Nenhuma das duas variáveis possuem um poder de conclusão definitivo, dificultando a tomada de uma tendência no mercado", diz o relatório diário da AgResource Mercsoul.

Veja como fechou o mercado nesta quinta-feira:

Soja fecha estável nesta 5ª feira e pouca movimentação pesa sobre as cotações no BR

Nesta quinta-feira (4), após dois pregões consecutivos de alta na Bolsa de Chicago, os futuros da soja voltaram a recuar e terminaram o dia com ligeiras baixas entre os principais vencimentos. As posições mais negociadas perderam entre 0,75 e 2,25 pontos, com o março/18 valendo US$ 9,66 e o o maio/18, referência para a safra brasileira, US$ 9,77 por bushel.

Os traders, que mantêm o mercado ainda bastante estável, optaram por uma leve realização de lucros nesta sessão, mesmo mantendo seu foco sobre as previsões climáticas para a América do Sul. E embora os novos mapas sigam mostrando os próximos dias de tempo quente e seco na Argentina, o mercado ainda entende como 'ameaças insuficientes' para essa nova safra.

"A falta de ameaças entre as previsões para a Argentina também causam essa cobertura de posições depois das altas de ontem", diz o analista sênior de mercado do portal internacional Farm Futures, Bryce Knorr. "Enquanto as temperaturas podem subir muito na principal região produtora do país, são esperadas melhores condições de chuvas e de temperaturas depois disso", completa.

O plantio da nova safra argentina já chega a 87% da área estimada, como explica o analista de mercado Marcos Araújo, da Lansing Trade Group e esses tambám são números que começam a chegar ao mercado.

A recuperação das cotações, porém - já que o mercado perdeu mais de 10 pontos no início da sessão - se deu com a incerteza sobre a oferta da Argentina estimulando altas entre os preços do farelo e permitindo certa recuperação nas cotações da soja em grão, ainda segundo explicou Araújo em entrevista ao Notícias Agrícolas.

Preços no Brasil

No Brasil, os preços registraram um novo dia de baixas. A estabilidade na Bolsa de Chicago aliada à pouca movimentação do dólar frente ao real segue limitando o espaço para uma recuperação dos indicativos no mercado nacional.

A moeda americana, nesta quinta, fechou com ume ligeira baixa de 0,08% e sendo cotada a R$ 3,234. Nas três primeiras sessões do ano, no entanto, já acumula um recuo de 2,43%.

Com esse quadro, as baixas no interior do país variaram de 0,78% a até 2,10% entre as principais praças de comercialização. Nos portos, a baixa mais acentuada foi a registrada na soja disponível no porto de Rio Grande, de 0,97% para R$ 71,60 por saca. A safra nova fechou o dia com R$ 73,50 e caindo 0,68%. Em Paranaguá, R$ 72,00 nas duas referências, com perdas de 0,96% e 0,69%, respectivamente.

Fonte: Portal do agronegócio


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo