Pauta Agro&Business

CAFÉ 12/01/2018 07:50

Em ajustes, cotações do arábica operam com leve alta nesta manhã de 6ª na Bolsa de NY

Por volta das 09h20 (horário de Brasília), o contrato março/18 estava cotado a 122,90 cents/lb com alta de 10 pontos, o maio/18 subia 30 pontos, a 125,55 cents/lb.

Da Redação

Após duas sessões seguidas de queda, as cotações futuras do café arábica reagem tecnicamente na sessão desta sexta-feira (12). O mercado que vinha tendo pressão importante do otimismo com as condições de produção na safra 2018/19 do Brasil e oferta global agora passa por ajustes técnicos, já que os principais vencimentos se distanciam de US$ 1,30 por libra-peso.

Por volta das 09h20 (horário de Brasília), o contrato março/18 estava cotado a 122,90 cents/lb com alta de 10 pontos, o maio/18 subia 30 pontos, a 125,55 cents/lb. Já o vencimento julho/18 trabalhava com avanço de 35 pontos, negociado a 127,95 cents/lb, e o setembro/18 tinha valorização de 30 pontos, cotado a 130,30 cents/lb.

As chuvas devem diminuir sobre o cinturão produtivo do Brasil nos próximos dias, mas o otimismo com as condições de produção são grandes no maior país produtor do grão. Além disso, segundo informações reportadas pelo site internacional Agrimoney, o Commerzbank aponta que a situação de abastecimento do café "parece agora ainda mais confortável.

"Depois de a OIC ter mudado em novembro sua previsão de um déficit para um superávit [em 2016/17], e novamente revisar esse valor ligeiramente para cima, a situação da oferta agora parece ainda mais confortável", disse o Commerzbank.

No Brasil, no último fechamento, o tipo 6 duro era negociado a R$ 450,00 a saca de 60 kg em Espírito Santo do Pinhal (SP), em Guaxupé (MG) os preços estavam cotados a R$ 435,00 a saca e em Poços de Caldas (MG) eram negociados a R$ 4363,00 a saca. Os negócios no mercado interno seguem lentos, mas devem voltar a ganhar ritmo nos próximos dias.

Veja como fechou o mercado na quinta-feira:

Café: Bolsa de Nova York recua mais de 100 pts na sessão desta 5ª e se distancia de US$ 1,30/lb

Os futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerraram a sessão desta quinta-feira (11) com queda de mais de 100 pontos e se afastaram ainda mais do patamar de US$ 1,30 por libra-peso. Pesa sobre o mercado as melhores condições de produção da safra 2018/19 do Brasil e a oferta global.

O vencimento março/18 fechou a sessão de hoje cotado a 122,80 cents/lb com queda de 115 pontos, o maio/18 registrou 125,25 cents/lb com recuo de 110 pontos. Já o contrato julho/18 encerrou o dia com 127,60 cents/lb e desvalorização de 105 pontos e o setembro/18, mais distante, fechou a sessão cotado a 130,00 cents/lb com 100 pontos de baixa.

Essa é a segunda sessão seguida de baixa no arábica. Diante das chuvas nas áreas produtoras, o mercado tem acompanhado bastante nos últimos dias as informações sobre as melhores condições de desenvolvimento das lavouras na safra 2018/19 do Brasil, que é o maior produtor e exportador do grão no mundo.

"Ideias de grande potencial de produção para o Brasil, Honduras e Vietnã repercutem e são os principais tópicos das conversas. No entanto, os gráficos diários mostram que as tendências estão indefinidas", disse em relatório o analista e vice-presidente da Price Futures Group, Jack Scoville.

De acordo com informações da Somar Meteorologia, as chuvas devem ser isoladas nos próximos dias nas áreas produtoras brasileiras. Entretanto, já choveu forte recentemente em praticamente todo o cinturão. Alguns cafeicultores, no entanto, têm relatado queda de chumbinhos nas lavouras.

O cenário otimista também está presente nas informações sobre a oferta no mercado. Segundo informações reportadas pelo site internacional Agrimoney, o Commerzbank aponta que a situação de abastecimento do café "parece agora ainda mais confortável.

"Depois de a OIC ter mudado em novembro sua previsão de um déficit para um superávit [em 2016/17], e novamente revisar esse valor ligeiramente para cima, a situação da oferta agora parece ainda mais confortável", disse o Commerzbank.

Mercado interno

Os negócios nas praças de comercialização do Brasil seguem lentos nesses primeiros dias de 2018."Como muitos agentes consultados pelo Cepea ainda estão fora do mercado, os negócios de café seguem calmos neste início de ano. A expectativa é que grande parte dos compradores e vendedores retorne ao spot nas próximas semanas", disse o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação em Espírito Santo do Pinhal (SP) com saca a R$ 500,00 – estável. A maior oscilação no dia ocorreu em Guaxupé (MG) com queda de 1,04% e saca a R$ 475,00 e Patrocínio (MG) com alta de 1,04% e saca a R$ 485,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 480,00 e alta de 2,13%. Foi a maior oscilação no dia dentre as praças.

O tipo 6 duro anotou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 460,00 – estável. A maior oscilação no dia ocorreu em Maringá (PR) com avanço de 1,16% e saca a R$ 435,00.

Na quarta-feira (8), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 448,24 e baixa de 0,02%.

Fonte: Portal do agronegócio

 

versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo