Pauta Jurídica

OPERAÇÃO CONVESCOTE 05/12/2017 10:31

Delator entrega 10 em esquema milionário de desvios na AL-MT

Depoimento de Hallan Gonçalves de Freitas resultou em novas fases.

Da Redação

O depoimento do empresário Hallan Gonçalves de Freitas, principal delator da Operação Convescote, foi determinante para elucidar supostamante a participação de 10 pessoas no esquema. Baseado nas informações e provas apresentadas por ele, a juíza Selma Rosane Santos Arruda, da Sétima Vara Criminal, acatou o pedido do Ministério Público de fazer conduções coercitivas de alguns dos citados.

A "Operação Convescote", que teve na última quinta-feira sua quarta fase, apura o desvio de cerca milhões dos cofres públicos através da Fundação de Apoio ao Ensino Superior Público Estadual (Faespe), que mantinha um convênio com a Assembleia Legislativa de Mato Grosso para prestação de serviços de apoio administrativo. Hallan apontou fatos criminosos cometidos por Luiz Fernando Alves dos Santos (presidente da Plante Vida), Marcelo Geraldo Coutinho Horn (diretor geral da Faespe, à época), Wilbun de Andrade Cardozo, Eduardo Cesar de Mello, Fernando Biral de Freitas, João Cláudio Malta Buyers, Jocilene Rodrigues de Assunção, Marcos José da Silva, Tschales Franciel Tschá e Odenil Rodrigues da Silva.

Hallan também denunciou o policial militar Franckciney Canavarros Magalhães, lotado à época no Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), por uma suposta tentativa de obtenção de vantagens indevidas para fornecer informações sigilosas sobre o caso. O policial segue preso.

O empresário detalhou a participação de cada um dentro do esquema, além de comprovar com documentos e até mesmo mensagens do whatsapp a atuação dos integrantes do grupo. Com base nas informações, novas fases devem ser deflagradas para investigar o contrato entre Faespe e Legislativo que consumiu cerca de R$ 60 milhões aos cofres públicos.

Fonte: Folhamax


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo