Pauta Jurídica

CASO RODRIGO CLARO 26/01/2018 09:28

Justiça realiza audiência com tenente do Bombeiros sobre morte de aluno na Lagoa Trevisan

A audiência da tenente do Corpo de Bombeiros, Isadora Ledur, será presidida pelo Juiz Marcos Faleiros, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, nesta sexta-feira (26), a partir das 14h, e conta com 37 testemunhas.

Da Redação

A ação apura o crime de tortura que resultou na morte do aluno Rodrigo Claro, de 21 anos, em 2016, que após treinamentos intensivos, foi parar na UTI e não resistiu.

Entre as testemunhas está a delegada Juliana Chiquito Palhares, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), responsável pela condução do inquérito sobre o caso, e dois médicos.  

A mãe do aluno, Jane Patrícia Claro, será assistente de acusação no processo. 

O caso

Rodrigo Claro morreu no dia 15 de novembro de 2016 após passar mal em uma aula prática na Lagoa Trevisan, em Cuiabá, e ficar internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em um hospital da Capital.

A família do aluno alegou sessão de tortura e omissão de socorro por parte do Corpo de Bombeiros.

A família também revelou que Rodrigo Claro estaria com medo de participar da continuidade do curso por ser, supostamente, perseguido pela tenente Izadora Ledur.

As investigações apontaram, supostamente, Izadora Ledur como pivô no caso que levou à morte o aluno.

O Ministério Público do Estado destacou que apesar de apresentar excelente condicionamento físico, o aluno demonstrou dificuldades para desenvolver atividades como flutuação, nado livre, entre outros exercícios.

Ledur foi denunciada por crime de tortura com resultado morte do aluno Rodrigo Patrício Lima Claro.

Fonte: Mato Grosso Mais


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo