Pauta Jurídica

AMPLA DEFESA 15/07/2018 10:46

Deputado e ex-secretário ganham acesso à investigações do Gaeco

O deputado Mauro Savi e o ex-secretário da Casa Civil do Governo do Estado, Paulo Taques, poderão, por meio de seus advogados, acessarem os autos da investigação do Gaeco que culminaram nas operações Bererá e Bonus

Da Redação

O desembargador José Zuquim Nogueira deferiu um pedido das defesas de Paulo Taques, Mauro Savi e seu chefe de gabinete, Vinícius Pincerato Fontes de Almeida, para que tenham acesso aos autos digitalizados relativos a Operação Bereré. Os três são réus na ação penal relativa a Operação.

Paulo Taques, que é ex-secretário da Casa Civil e primo do governador Pedro Taques, está atualmente preso no Centro de Custódia da Capital (CCC), assim como o deputado estadual Mauro Savi (DEM). Eles estão há 67 dias detidos, desde a deflagração, no dia 9 de maio, da segunda fase da Operação Bereré, chamada de Operação Bônus.

A operação Bereré apura esquema de fraude, desvio e lavagem de dinheiro no âmbito do Detran-MT, na ordem de R$ 30 milhões, que operou de 2009 a 2015. Segundo investigações, parte dos valores repassados pelas financeiras à EIG Mercados por conta do contrato com o Detran-MT retornava como propina a políticos.

Esse dinheiro era “lavado” pela Santos Treinamento, parceira da EIG no contrato quando ela ainda se chamava FDL Serviços, e por servidores da Assembleia, parentes e amigos dos investigados.

Paulo Taques é acusado pelo Ministério Público Estadual (MPE) de ser um dos líderes do esquema após a mudança de gestão no Governo do Estado, com a saída de Silval Barbosa e a entrada de Pedro Taques. Após a posse de seu primo, ele foi nomeado como chefe da Casa Civil pelo governador. A propina para ele era paga por meio do ex-CEO da EIG Mercados, José Kobori, também preso.

As investigações também apontam que Mauro Savi era o ‘dono do Detran’. Cabia ao parlamentar indicar quem seria o presidente do órgão. O empresário José Ferreira Gonçalves, sócio da EIG Mercados e réu confesso dos crimes investigados na Operação Bereré, afirmou ter pago R$ 1 milhão ao deputado estadual para encerrar o esquema de propina com os representantes da gestão passada do Governo do Estado.

Vinícius Pincerato, que também consta no despacho do desembargador, é chefe de gabinete de Mauro Savi na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Ele foi denunciado pelo MPE por ter R$ 2,5 mil transferido para sua conta pelo parlamentar.

Leia a íntegra do despacho:

Protocolo 45620/2018 - Ação Penal - Procedimento Ordinário 45620/2018 -

Classe: CNJ-283 COMARCA CAPITAL. , Relator: Exmo. Sr. Des. José Zuquim Nogueira

Intimação: Aos Advogados: 1) Augusto Cesar de Aquino Taques, OAB/MT 12026, patrono de Paulo Jorge Zamar Taques; 2) Giovane Santin OAB/MT 24541/B, patrono de Vinicius Pincerato Fontes de Almeida e 3) Paulo Fabrinny Medeiros, OAB/MT 5940, patrono de Mauro Luis Savi, para comparecer no prazo de 24 (vinte e quatro) horas na Secretaria do Tribunal Pleno com 1 mídia (pendrive 16G), a fim de retirar autos digitalizados conforme requerido e deferido pelo relator.

ASS.: Maria Conceição Barbosa Corrêa, Diretora

DEPARTAMENTO DO TRIBUNAL PLENO, EM CUIABÁ, 12 DE JULHO DE 2018.

BELA. MARIA CONCEIÇÃO BARBOSA CORRÊA, DIRETORA

(Fonte:Folhamax)


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo