Polícia

OPERAÇÃO HASHTAG 10/10/2017 11:20

Homem é preso por assassinato de suspeito de terrorismo na prisão em MT

Valdir Pereira foi um dos presos da Operação Hashtag, que investigava um grupo que planejava um ataque terrorista durante a Olimpíada do RJ.

 Da Redação

Um jovem de 20 anos foi preso suspeito de ter envolvimento na morte de Valdir Pereira da Rocha, 36 anos, em outubro de 2016, que foi espancado por detentos dentro da Cadeia Pública de Várzea Grande, região metropolitana da capital. Valdir foi investigado na operação ‘Hashtag’, da Polícia Federal, por suspeita de envolvimento com atividades terrorista.

A prisão ocorreu no domingo (8) e foi divulgada nesta terça-feira (10). De acordo com a Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Alexandre de Amaral Teophiro Ribeiro, conhecido como Alemão, de 20 anos, é um dos indiciados pela morte de Valdir. Ele estava com a prisão decretada pela 1ª Vara Criminal de Cuiabá.
Segundo a DHPP, os presos não aceitavam que Valdir ficasse na cadeia por acreditarem que ele era terrorista. Na ocasião, quebraram cadeados das celas e espancaram Valdir, que chegou a ser socorrido e encaminhado ao Pronto-Socorro Municipal de Várzea Grande (PSMVG), ainda com vida, porém, não resistiu aos ferimentos e faleceu.

No inquérito foram identificados e indiciados quatro suspeitos como sendo os principais mandantes e executores do crime. Com a prisão de Alexandre, resta apenas uma pessoa foragida.
Alexandre estava foragido e foi preso no domingo por porte ilegal de arma de fogo. Pela morte de Valdir, a Polícia Civil indiciou por crime de homicídio qualificado, motivo fútil: Ewerton Rodrigues de Lima, apontado como o mentor da ordem para o espancamento, e Kaio Eduardo de Oliveira, executor das agressões. Alexandre de Amaral Teophiro Ribeiro (Alemão) e Jorge Lima Oliveira foram as pessoas que quebraram o cadeado da cela, dando acesso aos demais presos do raio.

Hashtag
 
A Operação Hashtag foi deflagrada pela Polícia Federal em julho de 2016 para deter um grupo suspeito de planejar um ataque terrorista durante a Olimpíada do Rio de Janeiro. Valdir Pereira da Rocha foi um dos dois presos em Mato Grosso. Ele se entregou à polícia no dia 22 de julho e foi encaminhado para o presídio federal de Campo Grande, assim como os outros presos na operação.
Em setembro de 2016, a Justiça Federal determinou que Valdir, que não foi denunciado na operação, fosse solto com o uso de tornozeleira. Porém, segundo a Corregedoria da Penitenciária Federal de Campo Grande, havia uma ordem de regressão de pena contra Valdir, determinada pela Justiça de Mato Grosso, por conta de outro crime que ele já havia cometido e pelo qual havia sido condenado. Valdir, então, foi transferido para a Cadeia Pública de Várzea Grande no dia 13 deste mês, onde sofreu a agressão.
A chamada Operação Hashtag pela Polícia Federal, resultou na prisão de pelo menos 12 pessoas em oito estados, segundo o Ministério da Justiça. Foram as primeiras prisões no Brasil com base na recente lei antiterrorismo, sancionada em março de 2016 pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT).
Também foram as primeiras detenções por suspeita de ligação com o grupo terrorista Estado Islâmico, que atua no Oriente Médio, mas tem cometido atentados em várias partes do mundo.


Fonte:G1 MT


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo