Polícia

TRAMA FATAL 07/02/2018 07:25

Família de amante matou e queimou corpo de fazendeiro em Juara

A amante, o marido, o filho e um vizinho emboscaram o fazendeiro Moisés Moraes, que foi morto com 13 tiros e teve o corpo queimado em uma fogueira

Da Redação

A Polícia Civil de Juara (709 km de Cuiabá), desvendou e prendeu os responsáveis pelo bárbaro assassinato do pecuarista Moisés Moraes, 57 anos. O fazendeiro desapareceu no dia 29 de janeiro, depois de receber uma ligação de uma mulher casada com a qual manteria um relacionamento extraconjugal há pelo menos cinco anos.

Sem citar nomes, o Delegado narrou os fatos apurados e anunciou que ao caso está esclarecido tendo o pecuarista sido assassinado por três pessoas e teve seu corpo queimado em uma fazenda vizinha à que a vítima morava.

A trama macabra teria sido armada pela amante da vítima, sua vizinha e começou a ser desvendada a partir da localização da moto e de uma mochila com pertences do pecuarista. Os policiais decidiram interrogar os vizinhos de Moisés, um dos quais, havia brigado com ele.

Durante o interrogatório do casal de vizinhos, eles acabaram por confessar o assassinato de Moisés Moraes. A primeira a confessar foi a mulher, de 45 anos. Ela contou à polícia que mantinha um caso há cinco anos com a vítima, mas o amante passou a pressioná-la para se separar do marido e ir embora com ele. Diante da resistência dela em desfazer o casamento, Moisés teria passado a chantageá-la dizendo que mostraria ao marido dela fotos e vídeos dos dois em situações íntimas.

A mulher disse à policia que decidiu se antecipar ao amante e ela mesma contou ao marido e ao filho o caso extraconjugal e disse que estava sendo ameaçada por Moisés. Os três tramaram então se livrarem do fazendeiro. Para isso, inicialmente, pensaram em forjar um acidente, mas desistiram. Então pediram ajuda à um outro vizinho, com quem Moisés tinha rixa. Os três homens então se dispuseram a matar o homem.

A mulher ligou para Moisés e atraiu o amante para a sua casa, o local do crime, prometendo a ele que teriam relação íntimas. Moisés se dirigiu à casa da mulher na tarde do dia 28. Quando ele chegou, foi emboscado pelos homens. O marido acertou-lhe com um tiro, derrubando-o da moto. Os outros dois homens, o filho e o vizinho, também fizeram disparos contra o corpo da vítima, que foi atingido por pelo menos 13 balaços de armas de vários calibres.

Em seguida enrolaram a vítima em plástico e colocaram na carroceria de um trator e levaram outro local e longe da sede da fazenda. O corpo foi colocada em uma leira de madeira que foi incendiada em seguida pelos assassinos. O fogo teria durado três dias e calcinou o corpo, desaparecendo com os vestígios do crime.

Para dificultar as investigações, o grupo lavou a moto da vítima que estava suja de sangue, colocaram a mesma sobre a carroceria de uma caminhonete e a levaram até as proximidades da propriedade de Moisés, onde deixaram meio oculta nas margens da estrada junto com a mochila e uma arma de fogo. 

PERÍCIA E TIPIFICAÇÃO DO CRIME

No local onde o corpo foi queimado, agentes da Polícia Técnica recolheram cinzas e fragmentos que podem ser dos ossos da vítima. O material será submetido à perícia laboratorial a fim de confirmar que o corpo de Moisés Moraes foi incinerado após o assassinato.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Carlos Henrique Engelman, a mulher, o marido, o filho e o vizinho que confessaram o crime serão acusados por homicídio triplamente qualificado, por motivo futil, posse ilegal de armas de fogo e ocultação de cadáver.Nas casas dos acusados foram encontradas sete armas, algumas das quais, podem ter sido usadas para assassinar Moisés Moraes. As armas serão periciadas.

Já a filha do casal, que ajudou no transporte do corpo e na incineração do mesmo, será indiciada por cumplicidade no crime.

Como não ocorreu flagrante, os acusados pagaram fiança pelo porte ilegal de armas e foram todos liberados após prestarem depoimento. O delegado, no entanto, não descarta um pedido de prisão preventiva.


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo