Polícia

CASO DANILO 22/02/2018 09:34

Pivô do assassinato do personal treiner Danilo Campos será recambiada para Cuiabá

Ane Lise Hovoruski, de 29 anos, foi presa em Foz do Iguaçú (PR) onde estava em casa de parentes, ela é suspeita de ter atraído a vítima para que fosse assassinado

Da Redação

A vendedora Ane Lise Hovoruski, de 29 anos, deve ser recambiada do Paraná, onde está presa, para Cuiabá nas próximas horas. Ela é suspeita ter atraído o personal trainer Danilo Nascimento de Souza Campos, de 28 anos, para que fosse assassinado na noite do dia 08 de novembro do ano passado. Ela está detida desde terça-feira, 20, em uma cadeia pública de Foz do Iguaçu, no Paraná.

A prisão foi feita por policiais civis da cidade do Sul do país, em uma ação conjunta com policiais da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cuiabá.

PIVÔ E CÚMPLICE DO CRIME

A polícia desconfia que, mais do que pivô da tragédia que vitimou o jovem personal treiner, Ane Lise tenha sido cúmplice do companheiro no planejamento e execução do crime. Segundo a delegada Alana Cardoso, responsável pelas investigações, a vendedora teria ligado para Danilo, marcando um encontro com ele no local onde houve a execução.

Vendedora teria mantido um relacionamento extraconjugal com Danilo Campos e o caso foi descoberto pelo companheiro dela, o empresário e atleta de capoeira, Guilherme Dias de Miranda, conhecido como "Mestre Nêgo D'Água".  O empresário teria contratado Walisson Magno de Almeida para executar a vítima e se vingar da traição da mulher.

Para a polícia, a vendedora pode ter colaborado com o companheiro na trama que resultou no assassinato de Danilo Campos com cinco tiros quando ele chegava em uma loja de conveniência no bairro Jardim Cuiabá onde, supostamente, iria se encontrar com Ane Lise. 

CASA DE PARENTES

Segundo a Polícia Civil do Paraná, Ane foi presa por volta das 10 horas (horário de Mato Grosso), na casa onde mora com familiares. O mandando de prisão da mulher foi decretado pela 12ª Vara Criminal de Cuiabá, a pedido da delegada Alana. 

“Foi bem tranquila a prisão. Nós conseguimos pegá-la na casa onde ela mora com os parentes. Como nós não temos espaço aqui na nossa unidade, ela foi encaminhada para a Cadeia Pública da cidade”, disse um policial que participou da prisão. 

Nesta quinta-feira (22), policiais civis da DHPP, devem chegar ao Paraná para fazer o recambiamento de Ane. A mulher deve chegar em Cuiabá nos próximos dias para prestar depoimento à delegada Alana Cardoso. 

“Ainda estamos na busca do mandante e do executor da vítima. Temos algumas informações, mas não podemos dar detalhes para não atrapalhar as investigações”, disse a delegada.

QUEBRA DE SIGILO

Danillo foi assassinado com cinco tiros no peito, no dia 8 de novembro de 2017. Ane, segundo informações da policial, não seria apenas a pivô do assassinato, mas também participante direta na morte de Danilo. 

Após a quebra de sigilo telefônico de vários suspeitos, as análises das ligações feitas nos aparelhos celulares da vítima, da vendedora, do marido dela Guilherme "Nêgo D'Água" e do suspeito de ter atirado, Walisson Magno, a polícia levantou a suspeita de que Ane Lise teria contibuido diretamente para a execução do amante. Foram encontradas ligações de um número telefônico habilitado por ela naquela semana marcando encontro no local onde Danilo Campos foi executado, no bairro Jardim Cuiabá. 

O personal foi morto quando descia de veículo na Rua General Ramiro de Noronha. Testemunhas informaram que a vítima estacionou o carro e, ao descer, foi atingida por 5 tiros efetuados pelo homem que estava na garupa de uma motocicleta.

Os assassinos seguiram em direção à Avenida Miguel Sutil e câmeras de vigilância registraram quando, minutos depois, o carro do empresário Guilherme Dias de Miranda passou pelo local em baixissima velocidade como se ele estivesse conferindo que o desafeto estava mesmo morto.

(Com informações do Hipernoticias e outras fontes)


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo