Política

ELIEÇÕES 2016 11/07/2016 09:21

Partidos correm contra o tempo para fechar alianças para as eleições municipais

A menos de 10 dias do início das convenções os partidos ainda quebram cabeça para poder formar chapas proporcionais e majoritárias

Eduarda Fernandes

Da redação

Às vésperas do início das convenções partidárias, os pretensos candidatos a vereador, prefeito e vice-prefeito correm contra o tempo para tentar amarrar coligações e concorrer nestas eleições municipais.

A 9 dias para o início das convenções, que ocorrem de 20 de julho a 5 de agosto, o processo eleitoral começa a se afunilar. Neste momento, siglas definem os cabeças de chapa. A tendência é que estiquem as negociações até o último segundo.

Paralelo a isso, “peneiram” a lista de pré-candidatos a vereador para definir quem registrará candidatura e quem está fora. Além disso, fazem contas para definir se lançarão chapa pura ou se unirão a outras siglas na busca por vagas nos legislativos municipais. O clima é tenso e as reuniões ocorrem de forma sistemática.

Partidos políticos precisam correr contra o tempo para definir coligações e respectivas candidaturas

Ocorre que os partidos também precisam levar em conta o quociente eleitoral, estimativa de quantidade de votos necessária para eleger cada um dos vereadores. Em Cuiabá, por exemplo, segundo parlamentares ouvidos pelo , a estimativa é de que sejam necessários aproximadamente 12 mil votos para obter uma das 25 vagas do Parlamento da Capital, o maior do Estado.

Para tanto, estão levando em consideração o número de eleitores, de vagas e de votos válidos em 2012, quando o quociente foi de aproximadamente 11 mil votos. No caso de Cuiabá, cada chapa, seja pura ou não, poderá lançar até 37 nomes para a disputa.

A quantia é definida pelo artigo 10 da Lei 9.504/97, que prevê que cada partido ou coligação poderá registrar candidatos no total de até 150% do número de lugares a preencher. Atualmente, a Câmara de Cuiabá possui 25 vagas.

A exemplo de outros anos, na busca por um lugar ao sol, a tendência é que os chamados “nanicos” formem a frentinha, na tentativa de somar forças e votos, conquistando ao menos alguns mandatos.

Uma das questões a serem equacionadas é a busca por mulheres candidatas. A legislação prevê uma cota de 30%. Justamente, por isso, muitas vezes, há questionamentos sobre candidaturas laranjas. A representatividade feminina ainda é muito baixa em Mato Grosso. Para se ter uma ideia, na Câmara de Cuiabá há apenas Lueci Ramos (PSDB) e na Assembleia Janaína Riva (PMDB). No Congresso Nacional não temos nenhuma representante femininaT.

Simultaneamente ao processo de escolha, ocorre o período de registro das candidaturas, que tem início no dia 20, mas segue até 15 de agosto.

(Fonte:Rdnews)


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo