Turismo

07/09/2014 17:06

CHAPADA DOS GUIMAR?ES Paisagens de sonhos

Pedro Sibahi
Viajar pelo Mundo

Conhecido pelos paredões de arenito vermelho-alaranjado, o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães já foi um destino selvagem, reservado só aos aventureiros. Não é mais. Hoje, está democrático, com atividades para toda a família, sem contar as trilhas e corredeiras para quem busca adrenalina e contato com a natureza. O melhor caminho para chegar em Guimarães parte de Cuiabá, que sendo a capital do estado recebe voos de todos os país, além de contar com várias empresas de ônibus e aluguel de veículos.
 
Na cidade com o mesmo nome do parque, os interessados em artesanato se extasiam: são diversas obras - de luminárias a móveis -, feitas com plantas do cerrado, bambu e outros materiais. Também há trabalhos feitos por indígenas da região. Nos fins-de-semana, tudo fica exposto na praça central Don Wunibaldo e em algumas lojas no entorno, para delírio dos afeitos a uma boa compra.

Cachoeira Véu de Noiva é o mais conhecido dos atrativos do Parque
 Nacional de Chapada dos Guimarães por ser belíssima e de fácil acesso

Na mesma praça ergue-se a Igreja de Santana, ponto de parada obrigatório de quem visita a Chapada dos Guimarães. Com seus azulejos portugueses do século 18, é a construção mais antiga, inaugurada em 1779. Ela abriga imagens de Santa Ana do Santíssimo Sacramento, Santo Inácio de Loyola e São Francisco Xavier ?" todas famosas não apenas entre os devotos, mas também para os aficionados por arte sacra.
 
Assim como na prima baiana, as opções de acomodação da Chapada dos Guimarães ficam distribuídas entre o município e os arredores, atendendo a  diversos gostos.
Caverna do Aroé-Jari: rezam as lendas que as grutas e cavernas de 
Chapada dos Guimarães guardariam passagens secretas
 para Atlântida e para os Reinos Andinos antigos

Se você busca praticidade, hotéis como o Chapadense dão conta do recado ?" simples e confortável. Mas o forte está nas pousadas, para quem quer opções de lazer e aquele jeitinho de sítio. As melhores pedidas são o Solar do Inglês e a pousada Bom Jardim ?" ambas caracterizadas pelo serviço hospitaleiro dos donos, mas sem perder o rigor nem exagerar na intimidade.
 
Aos mochileiros, a dica é ficar no Camping Oásis, que se diferencia por exibir um pomar e horta orgânica.
 
E como recarregar a energia do corpo depois das caminhadas? Fácil: há bons restaurantes nas imediações. Se você já estiver no Parque da Chapada, conheça o Morro dos Ventos, com vista para a planície pantaneira e para a cachoeira dos amores. Se já voltou dos passeios, a culinária portuguesa do restaurante Estilo felicita o paladar dos viajantes.
 
Cuidado, porém, para não exagerar nas refeições, pois passear pela chapada pode se tornar difícil. Para conhecer o parque por dentro, comece informando-se no Centro de Visitantes. E contrate um guia. Em várias trilhas, a presença dele é obrigatória, por questões de segurança.
 
Tome-se por exemplo a que leva à cachoeira Véu da Noiva, famosa pela queda de quase 90 metros e pela vista de tirar o fôlego. Ela está fechada para banho devido a um acidente em 2008, mas pode ser apreciada desde a chamada ?trilha de cima? ?" lugar de acesso nem sempre tranquilo. Para alcançar a queda d?água é preciso caminhar por cerca de 1h20 ?" esforço que, com um guia ao lado, fica menor, devido ao conhecimento dos obstáculos e do trajeto;
 
Se você não está com tanto fôlego, existem passeios acessíveis, como o Circuito das Cachoeiras, com sete quedas a apenas três quilômetros e meio de caminhada. Ou, ainda, a Cachoeira da Martinha, a apenas
150 metros da estrada principal.
 
Quem visita as sete quedas do circuito tem que conhecer a Casa de Pedra, uma caverna esculpida pelo rio Sete de Setembro, que não é só ponto turístico, mas também uma aula de geologia. Impossível não se encantar com suas paredes segmentadas pelo arenito de diferentes eras geológicas.

Trilhas para aventureiros que curtem fortes emoções: 
"Os caminhos de Guimarães" levam à vários 
pontos históricos e atrativos da região 
 
Aos ?trilheiros? que procuram uma caminhada de verdade, o must é o Morro de São Jerônimo. A 836 metros de altitude, seu pico só pode ser alcançado após quatro horas e meia de caminhada, em grupos guiados de até quatro pessoas. Há também uma rota alternativa que passa pela comunidade de mesmo nome, onde se pode pernoitar e fazer refeições de pratos regionais.
 
Olhar distante na paisagem
Mirante para o infinito: os horizontes em Chapada dos Guimarães são tão infinitos quanto o céu 

Vista panorâmica, por sinal, é uma constante na Chapada dos Guimarães. Nas proximidades da entrada do parque os pontos turísticos desse tipo brotam da terra, como o complexo da Salgadeira. É uma antiga parada de tropeiros onde duas cachoeiras dão suas boas vindas aos passantes. Uma trilha leva ao Portão do Inferno - um dos melhores pontos para admirar a Chapada como um todo. 

Mas, se o visitante quer vislumbrar mais ainda, o Mirante do Centro Geodésico é o local ideal. Proporciona uma vista de toda a planície pantaneira, chegando a Cuiabá e o vale do entorno. Curiosidade: o nome vem de sua localização relativa na América do Sul: praticamente equidistante dos oceanos Pacífico e Atlântico.
 
Existem muitas atrações interessantes, como a Cachoeira dos Namorados, com 15 metros de altura, uma pequena praia e uma piscina natural com formato que lembra um coração.
Cachoeira dos Namorados: o circuito das cachoeiras em
Chapada dos Guimarães (MT) é imperdível, principalmente
nos meses de primavera e verão quando as águas frescas
 da região são um presente parqa aliviar o intenso calorão
 
Entre tantos pontos conhecidos pela beleza, um que se destaca é a caverna Aroe-Jari. São 1.500 metros de extensão, nos quais a luz difusa forma figuras intrigantes pelas paredes. Quem for la ainda pode apreciar até a gruta da Lagoa Azul, onde as águas transparentes ganham um tom azulado por conta do calcário. Aliás, convém lembrar, não se pode nadar ali ?" a natureza é tão frágil quanto formosa nesse recanto.
 
A necessidade de preservação, por sinal, acabou por fechar à visitação algumas das atrações. A Cidade de Pedra, famosa pelas formações rochosas de formatos inusitados (lembrando castelos medievais) está interditada devido ao excesso de turistas, fato que danificou parte do terreno sedimentar.
Paredões no Lago do Manso em Chapada dos Guimarães: onde quer 
que os olhos repousem a paisagem surpreende a alma da gente
 
Seja para descansar, aventurar-se em uma viagem de auto-conhecimento, praticar esportes radicais ou admirar as belezas naturais do país, as chapadas baianas e mato-grossense satisfazem todos os gostos.  Se o viajante escolher estes destinos para a próxima empreitada, só não pode esquecer de levar muito protetor solar, repelente e máquina fotográfica, ainda que alguém diga que o mérito das imagens estava na paisagem.




versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo