Variedades

AFRO PALADAR 04/01/2018 09:20

Projeto reúne registros da culinária quilombola e suas personagens

“O alimento é fundamental para o corpo como a cultura é essencial para nutrir a alma”, afirma coordenadora sobre motivação que norteia do projeto de profissionais cuiabanos

Da Redação

Mato Grosso carrega uma rica e diversificada tradição que chega até a gastronomia e, com a forte presença de comunidades quilombolas no Estado, ganha traços e sabores afro-brasileiros que contrastam com a monocultura de exportação do agronegócio. Este tipo de culinária ganhará uma nova ferramenta de divulgação, através do projeto da pesquisadora Jackeline Silva, intitulado Afro Paladar – Nutrindo a Cultura.

Para registrar as características e a simbologia do processo de produção dos alimentos, profissionais locais vêm circulando pelas comunidades a fim de construir um catálogo de pratos típicos dos quilombos de Cuiabá e região. O material irá conter receitas e boas histórias dos personagens envolvidos. “É o elemento humano que agrega valor simbólico e dá sentido a este rito”, afima a coordenadora e idealizadora do projeto.

Como cuiabana, Jackeline conta que a ideia surgiu do gosto pela comida local. Participando de festas de santos em comunidades tradicionais, não demorou para a curiosidade aguçada da cientista social transformar o prazer em pesquisa. “As festas sempre me impressionavam pela responsabilidade de preparar os alimentos para um grande número de devotos e convidados”, diz. Em 2016, o projeto foi aprovado pelo Edital Tradições, da Secretaria de Cultura de Mato Grosso (SEC).

O trabalho da cineasta Juliana Segóvia e do fotógrafo Luzo Reis vieram somar na perspectiva sociocultural somada ao registro audiovisual. Ambos são documentaristas e conheceram Jackeline a partir dos trabalhos que realizam com a comunidade haitiana em Cuiabá. A produtora cultural ressalta ainda que a equipe conta com diversos interlocutores que os aproxima das comunidades, durante as visitas. “São pessoas fundamentais para realização desse tipo de trabalho, pois sem elas o acesso às comunidades é praticamente impossível”.

Sobre suas percepções durante a viagem, ela revela: “Compreendi que a ação cotidiana de preparar o alimento está intimamente associada a um saber ancestral, transmitido de geração a geração, oriundo de diversos países da África que, ao serem introduzidos nos países da diáspora, mesclaram-se aos ingredientes e saberes dos povos nativos e também trazidos pelos colonizadores”.

Militante da causa, Jackeline acredita que a importância de um registro do “afro” paladar também contribui para dar visibilidade aos afrodescendentes no Brasil - e que  ser uma pesquisadora negra facilitou o processo de identificação e confiança. “Eles foram e ainda são discriminados pela sociedade e, no entanto, seguem trabalhando ao longo dos séculos, contribuindo de forma substancial para a formação cultural e alimentar dos brasileiros”, afirma.

Dona Gabriela, 95 anos, preparando Paçoca de Pilão no Pilão de Madeira. Comunidade Aguaçu - Distrito da Guia.
Os profissionais já passaram por locais como a comunidade Campina de Pedra e Morro Cortado (Poconé), Comunidade Retiro (Barra do Bugres), Comunidade Abolição (Santo Antônio do Leverger), Comunidade Ribeirão da Mutuca e Mata Cavalo de Cima (Nossa Senhora do Livramento) e Comunidade Aguaçu (Cuiabá).

“Estamos em plena fase de produção e o projeto tem sido bem recebido pelas pessoas nas comunidades, por se tratar de um tema prazeroso”, revela Jackeline.

O lançamento do catálogo está previsto para o mês de abril de 2018. Ele será distribuido gratuitamente às instituições, pessoas/grupos interessados na temática e, principalmente, às escolas quilombolas das comunidades visitadas.

Enquanto isso, o projeto pode ser acompanhado pelas mídias sociais e instagram: @afropaladar

Fonte: O Livre


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo