Variedades

LUTO 06/07/2019 21:35

Morre Jão Gilberto, o último dos três pais da Bossa Nova

João Gilberto morreu neste sábado, 6, aos 88 anos; causa da morte ainda não foi divulgada. Ele era último dos três pais da Bossa Nova (João, Vinicius de Moraes e Tom Jobim), o ritmo brasileiro que alçou o país à condição de referência internacional da música de qualidade

Da Redação

O Brasil e o mundo perderam neste sábado, 06, o último dos três pais da Bossa Nova. Morreu aos 88 anos, o músico João Gilberto. Ele faleceu de causas ainda não reveladas, em sua casa no Rio de Janeiro. O músico baiano ficou mundialmente conhecido como um dos criadores da bossa nova, sendo considerado ao lado de Vinicius de Moraes e Tom Jobim, como "Pai" do inovador e cativante ritmo brasileiro. Sua história como músico, como interprete e compositor foi fundamental para a música moderna brasileira.

O corpo do músico será velado no Teatro Municipal, no Rio de Janeiro, nesta segunda-feira,08.

Nascido em 10 de junho de 1931 em Juazeiro, na Bahia, João Gilberto fez carreira e sucesso no Rio de Janeiro, para onde se mudou definitivamente em 1957, onde conheceria e firmaria as parecerias com Jobim e Vinicius que daria ao mundo a Bossa Nova a partir de sua maneira personalíssima de tocar violão e de cantar quase sussurrando.

Para a a revista Rolling Stone, João Gilberto foi o "revolucionário pai da bossa nova" , sendo o 2º maior artista brasileiro de todos os tempos, seguindo Tom Jobim.

A informação da morte foi dada pelo seu filho, João Marcelo Gilberto, que mora nos Estados Unidos. Além de João Marcelo, João Gilberto também era pai de Bebel Gilberto e Luisa Carolina Gilberto. A causa da morte ainda não foi informada.

"Meu pai morreu. Sua luta foi nobre, ele tentou manter a dignidade à luz da perda da independência. Agradeço minha família por estar aqui por ele", escreveu João Marcelo Gilberto nas redes sociais.

João Gilberto foi o responsável pela trilogia de albuns fundamentais que apresentaram a bossa nova para o mundo: “Chega de saudade” (1959), “O amor, o sorriso e a flor” (1960) e “João Gilberto” de 1961.

João Gilberto, Vinicius de Moraes e Tom Jobim, a "Trindade Genial" que inventou a bossa nova.

Músicos, cantores, compositores e artistas em geral se manifestaram lamentando a morte de João Gilberto, aos 88 anos, neste sábado, 6, no Rio de Janeiro.

"Se foi João Gilberto, o maior gênio da música brasileira. Influência definitiva no meu canto. Fará muita falta, mas seu legado é importantíssimo para o Brasil e para o mundo", disse a cantora Gal Costa pelo Instagram. 

A cantora Daniela Mercury expressou sua tristeza também no instagram. Ela escreveu sob uma foto de João Gilberto tocando violão: "Vai minha Tristeza e diz a ele que sem ele não pode ser. Um gênio que revolucionou para sempre a música popular brasileira. João criou a Bossa Nova e me influenciou imensamente. Um dia ele me disse que eu era de sua família. E sou mesmo. Ele ensinou todos nós a cantar da forma mais bela do mundo. Vá em paz, mestre!"

Outra que também rendeu tributo ao interprete magistral de "Desafinado" foi Roberta Sá. "João não sabia, mas dormia comigo todas as noites. Me ensinou a gostar de samba, de jazz, de bossa, da Bahia e de Copacabana. João me mostrou o Brasil amoroso. É o melhor dos melhores e assim será, pra sempre", escreveu.

Ex-presidenta Dilma Rousseff foi uma das primeiras personalidades da política lamentar a morte de João Gilberto e registrar sua admiração e reconhecimento ao artista. Em suas redes sociais, Dilma fez uma homenagem ao músico baiano.

"O Brasil e o mundo se despedem neste sábado de uma das grandes estrelas da música mundial do século 20. João Gilberto foi um ícone e o símbolo de um Brasil moderno, amoroso, cheio de suíngue e charme. A cara do país da Bossa Nova e do samba, símbolo da singularidade de nosso povo".Sua voz delicada cantando “Garota de Ipanema” continua cativando o mundo mais de 60 anos após sua gravação. No verão de 1958, espalhou a saudade junto com o compositor e pianista Tom Jobim e com o poeta-diplomata Vinícius de Moraes.

ÚLTIMOS DIAS DO GÊNIO DA BOSSA NOVA

Os oito anos de vida de João Gilberto foram dramáticos. O músico, que já era tido por excêntrico por ser avesso à badalações, entrevistas e pouco sociável, passou a viver uma vida de quase reclusão absoluta.

Com a saúde fragilizada devido enfermidades diversas e a idade avançada, o artista quase não recebia ninguém em sua casa e não era visto em público por vários anos seguidos. 

A última aparição de João Gilberto ao público aconteceu em um vídeo divulgado em 2015, onde ele aparece muito magro e de pijama cantando “Garota de Ipanema” para sua neta acompanhado de seu violão.

Em seus últimos dias de vida, João Gilberto viveu recluso em casa, ao lado da filha e da neta.

Acuado por dívidas e sem condições de cumprir o contrato firmado em 2011 para uma turnêe devido a seu estado débil de saúde, João Gilberto se viu obrigado a abandonar o apartamento que ocupava no Leblon.

  A partir de meados de 2018 ele passou a morar em uma casa na Gávea, supostamente emprestada pela empresária Paula Lavigne, ex-mulher do cantor Caetano Veloso.

Desde o final de 2017, João Gilberto esteve sob tutela de sua filha Bebel Gilberto, que garantiu que seu pai não podia mais cuidar de sua saúde nem de suas finanças devido à sua fragilidade física e mental.

 Atualizada em 08/07, as 8:53


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo