Sem chuva, Mato Grosso acelera a colheita

Da Redação

Levantamento da AgRural mostra que a colheita chegou, na última quinta-feira, a 13,5% da área no Estado, ante 2,8% uma semana antes. Com isso, o total colhido superou os 12,4% de um ano atrás – quando a colheita foi antecipada pelo plantio rápido, mas enfrentou dificuldades devido às chuvas registradas em alguns momentos de janeiro.

A colheita em Mato Grosso começou atrasada nesse ano em comparação ao mesmo período do ano passado. Apesar de um início mais lento como registrado pela AgRural, a tendência era de que essa aparente lentidão desse lugar ao ritmo mais intenso no decorrer do mês, na medida é claro, que o clima permitisse e foi isso que ocorreu no Estado que pôde acelerar a colheita com o tempo firme que marcou a semana passada.

“Essa lentidão inicial tinha mais a ver com o ritmo muito acelerado da safra anterior e com o plantio mais tardio da safra atual do que com as chuvas que caem sobre o Estado agora em janeiro. Como houve atraso no plantio, poucas áreas mato-grossenses estão prontas para a colheita. Elas poderão ocorrer, entretanto, caso precipitações acima da média sejam registradas na segunda quinzena de janeiro e em fevereiro”, completou Daniele.

No resto do Brasil, a colheita chegou a 10% em Rondônia, que tinha 0,5% na semana passada. Além disso, outros três estados estrearam na tabela: São Paulo, com 0,8%, Mato Grosso do Sul, com 0,2% e Pará, com 1%. Esses resultados, aliados ao número de Mato Grosso, levaram a colheita no Brasil a 3,8% da área, contra 0,8% na semana passada, 4,3% há um ano e 2,9% na média de cinco anos.

No Paraná, as colheitadeiras seguem paradas, à espera das primeiras áreas prontas. Neste ano, o início da colheita paranaense está atrasado devido ao plantio mais tardio e ao alongamento do ciclo de parte das lavouras. Mas a expectativa é de grande safra.

Embora possam atrapalhar a colheita, as chuvas previstas para os próximos dias são favoráveis às lavouras mais tardias do Centro-Oeste – algumas delas com pouca umidade há duas semanas. Mas é preciso ficar atento ao Rio Grande do Sul e ao Matopiba, que ainda precisam de chuva em fevereiro para consolidar a safra, mas que têm poucos volumes previstos para os próximos 15 dias.

Com a colheita da soja acelerada em Mato Grosso, o plantio da segunda safra de milho também ganhou ritmo. Até quinta-feira, 9,4% da área estavam semeadas no Estado, ante 1,8% há uma semana. Esses números, aliados ao plantio ainda muito pontual no Paraná, levou a área semeada no Centro-Sul do Brasil a 3,5%, contra 0,8% na semana passada, 5,6% há um ano e 4,2% na média de cinco anos.

Fonte: AgroNotícia

Compartilhe:

Com muito ❤ por go7.site